Futsal de Primeira

Futsal PE: Seis salonistas pernambucanos iniciam disputa na Liga Espanhola

01 de outubro de 2020 às 18:12:28


Considerada uma das principais competições do futsal mundial, a Liga Nacional Espanhola (LNFS) começa nesta sexta-feira, dia 2 de outubro. Para esta temporada 2020/2021, a liga conta com a participação de seis salonistas pernambucanos: Wanderson (fixo) e Bynho (ala), do C.A Osasuna Magna; Rafael Rato (fixo/ala) e Matheus Preá (pivô), do Valdepeñas FC; Lucas Eto’o, do Rubén Burela FC; Waltinho, do Jimbee Cartagena FS.

 RAFAEL RATO

 Hoje com 37 anos, Rafael Rato (natural do Recife) já está há mais de uma década atuando na Espanha. No Inter Movistar (2011/2019), ele disputou 300 partidas e conquistou 15 títulos: cinco Ligas, três Copas Espanha, quatro Super Copas, uma Copa do Rey e duas Copas dos Campeões. Rato é um dos maiores salonistas do Estado de Pernambuco. Seus primeiros passos na quadra foram em 1993, quando era da Associação Atlética Bandepe, onde ficou até 1997, ano em que a instituição encerrou às atividades. Em 1998 e 1999, o ala jogou no Santa Cruz. O Sport foi o último clube pernambucano do atleta. Ele esteve no Leão nos anos 2000 e 2001. Em 2002, se transferiu para o Banespa/SP. 

 MATHEUS PREÁ

 Aos 26 anos de idade e nascido na cidade de Araripina, Sertão de Pernambuco, o atleta é considerado um dos melhores nordestinos da posição em atividade. Sua última passagem em Pernambuco foi em 2018, quando defendeu o AEST/Tamandaré, do Litoral Sul do estado. Pelo clube litorâneo, conquistou a Tríplice Coroa: Copas Tronadon e Pernambuco, além do Campeonato Pernambucano. No início de 2019, Preá foi para o São Miguel, do Paraná, onde ficou até o mês agosto daquele ano. Depois, saiu para atuar no exterior, no Ayat, do Cazaquistão. Além de salonista, o sertanejo ainda acumula experiências no futebol de campo como centroavante. No ano de 2014, vestiu a camisa do Porto, de Caruaru. No clube do Agreste pernambucano, disputou a Série A do Pernambucano. 

 BYNHO

 Com um currículo extenso, Bynho Ferraz acumula na bagagem passagens por 13 clubes em sua carreira. Ele deu o pontapé inicial nas quadras escolares em 2008, com 15 anos de idade. No 2º semestre do mesmo ano, foi para o clube da Polícia Militar do Recife. Já em 2009, jogou pelo Sport e também fez parte da Seleção Pernambucana Sub-17. No ano de 2010, o salonista atuou no Náutico. Em 2011, o pernambucano saiu pela primeira vez do estado para defender um clube de São Paulo, o Grêmio Recreativo, de Barueri, Região Metropolitana.

 WANDERSON

 Antes de chegar na Espanha, o atleta recifense estava jogando pelo Ceará Unidos, de Camaragibe (Região Metropolitana do Recife), na Copa Tronadon de Futsal adulto.  No início do ano passado, Wanderson Pernambucano vestiu a a camisa da ASEC/Caruaru, do Agreste de Pernambuco. Já no 2º semestre de 2019, ele atuou pelo AEST/Tamandaré, do Litoral Sul do estado. O atleta foi revelado no Santa Cruz, em 2011. Após se despedir do Tricolor do Arruda, no ano de 2013, o salonista teve a sua primeira experiência fora do estado, passando por Foz Cataratas e Siqueira Campos, ambos do Paraná. Em 2016, voltou para o Santa.

 WALTINHO

 Natural do Recife, Waltinho começou a jogar futsal aos seis anos de idade. Iniciou sua trajetória na modalidade no Náutico, mas no Sport construiu a carreira. Conquistou seis títulos do Campeonato Pernambucano no Leão. Aos 17 anos, defendeu o Santa Cruz, onde foi campeão mais três vezes do Estadual. Pelo Tricolor, ainda ganhou a Taça Brasil de Clubes, em 2008. Foram quatro anos atuando no Arruda (do Sub-17 até o adulto). Além da passagem pelo Trio de Ferro da Capital pernambucana, o salonista jogou um ano no Tigre, de Garanhuns. Após a passagem no Agreste pernambucano, Waltinho deixou o Estado e se transferiu para o CAD Guarapuava, do Paraná. Passou seis meses na Região Sul do Brasil, participando da Liga Paranaense e da Liga Nacional (LNF). Depois da experiência no eixo, ele saiu do Brasil e foi parar na Itália. Atuou por mais três anos em clubes italianos – Luparense (dois anos), Cioli Cogianco (um ano) e Pescara (meia temporada) -, sendo campeão uma vez da Liga Nacional (Scudetto) e duas vezes da Super Copa Italiana. Depois, o recifense foi ganhar rodagem em outro país da Europa, em Portugal. Lá, jogou No Fundão. 

 LUCAS ETO’O

 O pivô de 1,89 m é natural da cidade de Arcoverde, no Sertão de Pernambuco. O pontapé inicial de Lucas Eto’o nas quadras foi na escolinha do Professor Glauber Edgar, em sua cidade natal. No Recife, o pivô defendeu o Santa Cruz e o Náutico. Em 2015, conquistou o Brasileiro Sub-20 pelo Santa. Ainda pelo Tricolor do Arruda, faturou a Taça Brasil adulto (Divisão de Acesso) em 2016. No mesmo ano, se transferiu para o clube alvirrubro, onde levantou o troféu do Pernambucano adulto. Em PE, ainda vestiu a camisa do AEST/Tamandaré, clube do Litoral Sul do estado, no ano de 2017. Em 2018, ele saiu de Pernambuco e foi para o ADC Curitibanos, De Santa Catarina. No ano passado, jogou pelo LW-Arcoverde, equipe da sua cidade.

Fonte: Elton Henrique – foradecampope.com.br

Compartilhar notícia
Futsal de Primeira informa: .